quinta-feira, 29 de setembro de 2011

Madhava He




Song Name: Madhava Bahuta Minati Kari Toya
Official Name: None
Author: Vidyapati
Book Name: None
Language: Maithili

LYRICS:
(1)
mādhava, bahuta minati kari toya
dei tulasī tila, deha samarpinu,
dayā jāni nā chāḍabi moya

(2)
gaṇaite doṣa, guṇaleśa nā pāobi,
yab tuhuñ karabi vicāra
tuhuñ jagannāth, jagate kahāosi
jag-bāhira nahi muñi chāra

(3)
kiye mānuṣa paśu pakhī ye janamiye,
athavā kīṭa patañge
karam vipāke, gatāgati punaḥ punaḥ
mati rahu tuyā parasañge

(4)
bhaṇaye vidyāpati, atiśaya kātara,
taraite iha bhava-sindhu
tuyā pada-pallava, kari avalamban,
tila eka deha dīna-bandhu

TRANSLATION
1) O Madhava, with this offering of a tulasi leaf and sesame seeds I beseech You and pledge my body in Your service. I know Your compassion is such that You will not reject me.

2) While considering this appeal, You will only be able to count my faults. You will not find even a trace of good qualities in me. You are known throughout the creation as Jagannatha (master of the universe). Therefore do I, a worthless soul living within this universe, not have the right to accept You as my master?

3) Birth after birth, as a result of my karma, I repeatedly come and go, sometimes as a human, sometimes as an animal and sometimes as a bird, worm or insect. But in whatever birth I take may my mind always remain fixed on Your narrations.

4) With great remorse, the poet Vidyapati humbly prays, “O Madhava, O friend of the fallen, please give this insignificant person shelter at the tender leaf of Your lotus feet. In this way, I may cross over this ocean of material existence.”




tradução - 

1) O Madhava, com esta oferta de uma folha de Tulasi e sementes de gergelim Rogo-vos, e penhor do meu corpo em seu serviço. Eu sei que Sua compaixão é tal que Você não vai me rejeitar.

2) Apesar de considerar este recurso, você só vai poder contar minhas faltas. Você não vai encontrar sequer um traço de boas qualidades em mim. Você é conhecido por toda acriação como Jagannatha (mestre do universo). Portanto, nãoeu, uma alma vivente inútil dentro deste universo, têm o direito de aceitar-te como meu mestre?

3) Nascimento após o nascimento, como resultado do meukarma, eu repetidamente vêm e vão, algumas vezes comoum ser humano, às vezes como um animal e, por vezes,como um pássaro sem-fim, ou de insetos. Mas em qualquernascimento tomo minha mente pode permanecer sempre fixoem seu narrações.

4) Com grande remorso, o poeta Vidyapati humildementereza: "Ó Madhava, ó amigo dos caídos, por favor, dê esse abrigo pessoa insignificante na folha de oferenda aos pés de lótus. Desta forma, eu possa atravessar este oceano da existência material. "


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ocorreu um erro neste gadget

Follow by Email